7 de out de 2013

Você passa se conhecer melhor com as terapias de autoconhecimento!!!!

Bauru 07/10/2013




Bom dia a todos muitas saudades espero que me perdoe estive afastada do nosso blog por alguns meses por motivos pessoais mais hoje estou voltando cheia de vontades e com muitas novidades para contar para vocês .bjsss Renata  Cardoso




TERAPIAS  VIVENCIAIS DE AUTOCONHECIMENTO!!!!

                                               ABRAÇO TERAPÊUTICO EM ARVORE .                                        
                                         TERAPIA DE GRUPO CAMINHADA TERAPÊUTICA.




Oi!!!!!!!!
E para começar vamos falar para vocês mais uma vez que! fazer terapia é tudo de bom. A vida dá uma virada para melhor. Quem nunca fez não sabe o que está perdendo.Porque é tão bom? Simplesmente porque você começa saber quem você é, começa a organizar os seus pensamentos, as suas decisões começam ficar claras e ganhar direção de ação. Barato realmente não é. Mas podemos considerar um investimento em si próprio. Preste atenção num detalhe importantíssimo: Comece a fazer, se você não sentir-se seguro e confiante, disposto a abrir-se com o seu terapeuta, procure outro até achar aquele que pensa da forma em que você acredita.
Abraços.




Anna Coutinho 07/10/2013
Bom dia querida Dtr. Renata Cardoso 
Seja bem vinda de volta ao blog.

Acho ótimo porque não nos conhecemos a não ser que exploremos o inconsciente. E atualmente, com a técnica descoberta pela Dra. Renata Cardoso, isso é factível e facílimo. A Abordagem Direta ao Inconsciente, resolve em um mesmo todas as suas pendências afetivas, psicológicas, existenciais, genealógicas e morais. Uma maravilha !!! 


Jô Machado 7/10/2013
Saudades linda seja bem vinda de volta. bjss.

Já fiz terapia e acho que precisaria de mais algum trabalho. A terapia nos dá um auto-conhecimento maior e realmente podemos ter mais clareza sobre nossos sentimentos e nossos problemas, mas este trabalho não depende só do terapeuta, pois depende muito mais de nossa entrega. O trabalho terapêutico está muito mais preso a nossos limites do que à capacidade do terapeuta.



Luiz C. Moutinho 7/10/2013
Seja bem vinda Terapeuta Renata de volta.

Fazer esta terapia, com certeza vai contribuir para melhorar a nossa atitude com os outros. Vai nos dar meios para evitar conflitos desnecessários, encarar a vida e as relações humanas com mais objetividade e harmonia.


Silmara Banhara 7/10/2013
Oi Renata Cardoso bem vinda de volta estava fazendo falta. bjss.

Olha eu faço terapias há vários anos, e digo-lhes que sempre se descobre algo de novo dentro de nós. Em termos técnicos ela serve para nos ajudar a nos conhecermos melhor, adquirirmos mais confiança em nós mesmos e a partir daí resolvermos as nossas situações complicadas, aquelas das quais não damos conta sozinhos .., com mais segurança. Eu já tive altas várias vezes das terapias, e tbm, já me dei alta mtas ves
zes, mas sempre que acho que no momento não estou dando conta da situação sozinha procuro a ajuda de um profissional, afinal eles estão aí para nos auxiliar anos enxergarmos melhor, a nos compreendermos, entender como funcionamos realmente, a enxergar os nossos limites a aprender a respeitá-los. Não existe fórmula, nem mágica....Existe sim, muita coragem, boa vontade  muita humildade para se aceitar quando se está errado, quando seus sentimentos estão tortos, ou sua maneira de ver e sentir está mei turva ou conturbada, e olhar para dentro trazer tudo a tona, poi o profissional, seja ele um Psiquiatra ou um Psicólogo irá apenas nos orientar a enxergar estas coisas e, tirar estes bichos que existem e persistem em ficar dentro de nos.
Fomos e somos criados num mundo cheio de dogmas, permis ismos  pressa, liberalismo  onde tudo se confunde..., e na maioria das vezes o que precisas é apenas de um colo e de um abraço........ Silmara..........Beijos


Abílio Garri gio Morraco 7/10/2013
Parabéns Terapeuta Renata Cardoso seu trabalho é maravilhoso.

Fazer terapia para alcançar auto-conhecimento,ter clareza sobre nossos sentimentos é super valido, pois você vai conviver melhor com as pessoas que te cercam, vai aceita-las como são, respeitar as individualidades de cada ser. É o máximo fazer terapia procurar viver melhor.


Antônia Garcia 7/10/2013
Seja bem vinda de volta!!!!

Eu faço terapia há 6 meses,era algo que eu sempre quis fazer e fui adiando só que tomei a decisão de me enfrentar,é doloroso muitas vezes ,dá um angustia como se eu quisesse que tudo fosse resolvido rapidamente,mais com passar dos tempo a terapia me ajudou a entender cada processo,cada passo e a me conhecer melhor.Acho ótimo como se fosse passasse realmente a conhecer quem vc é de verdade


Carlota M. Monti. 7/10/2013
Querida Terapeuta Renata Cardoso já estava com saudades bjss!!!

Ao faço terapia a muito tempo sou nova nisso faço a 1 ano e mesmo assim ,mudei de terapeuta porque?Porque o primeiro não me dizia nada, era uma parede e para isso eu não preciso de um ser e sim de uma parede rsrs! ai mudei e adorei!E bom para nos ajudar a encontrar o caminho que nos temos mas não sabemos onde esta, e bom tbm para desabafar pois muitas das vezes um amigo não e tao bom para falar sobre nos! porem vejam bem o terapeuta nos ajuda, não e um milagroso, ele nos direciona para um caminho, que nos já temos mas não sabemos encontrar, não tenho nenhum motivo especial para fazer terapia e porque acho que todos deveriam fazer! E uma boa maneira de conversar, sem encher o saco dos amigos com conversar que só tem a ver conosco!E bom para auto-estima e pelo menos a minha e uma pessoa maravilhosa!E somos ate muito parecidas e por isso temos que ter cuidado pra não misturar amizade com terapia eu recomendo mesmo!bjs


Alice Mom tila Cavalcanti 7/10/2013
Renata Cardoso você para mim é uma das melhores terapeutas que já conheci, parabéns seja bem vinda de volta.

Na minha concepção a terapia é imprescindível para todo ser humano, principalmente na era em que vivemos, com exacerbados níveis de estresse, dúvidas e tensões. Sou adepta da psicoterapia há quase um ano, frequento semanalmente e posso garantir que dá resultados, principalmente se a pessoa criar um vínculo de simpatia e confiança com o profissional que irá assistí-la. Vale lembrar que psicólogos não fazem milagres, são apenas uma ponte para ajudar-nos a enfrentar nossos conflitos internos e que a eficácia do tratamento dependerá da disposição que a pessoa irá apresentar ao utilizar os recursos da psicoterapia para melhorar sua vida.


Jair Martynia 7/10/2013
Minha querida amiga terapeuta Renata por onde andava? estava sumida. seja muito bem vinda de volta. abraços.

Pois bem! Todas as pessoas tende a saber quais são seus defeitos suas qualidades e seus pontos fracos e fortes. Na minha opinião não devemos nos conhecer "de um dia para o outro",devemos nos conhecer através de quem somos e sobre o que os outros falam! Um exemplo "fulano falou p/ minha tia que sou muito educado",pois bem! Eis umas de suas qualidade que foi descoberta ,não por você mas pelos outros ,isso é bom!  Além de mostramos a si mesmo mostramos aos outros .Ou seja,não vale somente a nós nos conhecermos devemos revelar as nossas qualidades ,para ser bem sucedido tanto na vida pessoal como na vida profissional. Quanto a questão de terapia para termos um auto-conhecimento ,não acho necessário ,mas pode variar por pessoas,uma forma rápido ,fácil e eficiente é a auto-analise.O que seria a auto analise? Auto analise é você conversar com você mesmo(a),pare,reflita sobre você ,suas atitudes e sobre a sua vida,veja como está e veja como você quer que ela esteja,dependendo da sua resposta mental corra atrás não tem segredo é só concentrar em si mesmo(a)e confiar em você


Pedro Montilho 7/10/2013
Renata Saudades.

A terapia é um bom caminho para o auto conhecimento, tudo que nos ajudar a ser melhor é valido.






Eu estava pensando sobre a ingratidão daqueles que ajudamos ao longo da vida…


Ser ingrato tem a ver com ser humanista, porque o humanista atribui suas vitórias a ele mesmo, e não a Deus. O ingrato não reconhece que, sem Deus, ele(ela) talvez não estivesse nem vivo. A ingratidão também tem a ver com idolatria. Geralmente as pessoas ingratas tem dois comportamentos extremos: “amam” a ponto de idolatrarem a pessoa “amada”, e quando descobrem os defeitos (naturais) da pessoa, passam a desprezar e se tornam totalmente ingratos. O ingrato esquece com muita facilidade… não as coisas ruins, mas esquece as coisas boas que fizeram por ele(ela). O ingrato vive no “seu mundo”, busca apenas os seus próprios interesses. É um tipo de pessoa que se torna cega (cego) para o amor (e doação) de quem está ao lado. Outra característica da personalidade do ingrato é a desobediência que leva a rebeldia… e a infidelidade. Como o ingrato acha que sabe das coisas, ele (ela) não ouve a mais ninguém, não aceita conselho de ninguém, não considera ninguém capaz de liderá-lo(a) ou de aconselha-lo(a), o ingrato finge aceitar, mas na verdade, ele(a) não aceita se submeter a autoridade, porque ele(a) realmente acredita que sabe o que é bom para si. A ingratidão também tem a ver com a “falta de educação”. Podemos ser “treinados” desde a infância a ter um comportamento grato, isso ocorre no processo de educação de uma criança. Quando ensinamos uma criança a dizer “obrigado” para as pessoas que lhe servem, ou lhe ajudam, estamos lhe ensinando a ser grata(o). Isso faz parte da educação. Mas não é apenas a educação, a “etiqueta”, o “protocolo”, o “ser formal”, que gera a gratidão. A gratidão tem que partir do nosso coração, e não apenas ser da boca para fora. Quem está ao lado (convive) com o ingrato(a) sempre sofre. O único que não sofreu quando conviveu com um ingrato foi Jesus. Judas é o perfeito estereótipo do “ingrato”, ele foi salvo por Jesus, amado, cuidado pelo Mestre (que mesmo sabendo que Judas era um ingrato, lavou seus pés)… mas (Judas) não reconheceu, ele foi ingrato, infiel e traidor. Mesmo assim, Jesus nunca o rejeitou… Jesus tinha uma (entre muitas) característica: Ele não se iludia em relação as pessoas… Ele não gerava expectativas. Ele não fantasiava ou idolatrava. Ele ama sem se iludir. É por isso que Jesus não sofreu quando Judas o traiu, porque ele já sabia quem era Judas, Ele já tinha visto a ingratidão no coração de Judas. Jesus sabia que não podia esperar nada dele, a não ser traição e ingratidão.
Jesus não se decepcionou com Judas, pelo contrário, Ele se preparou para ser traído. Ele já sabia com que tipo de pessoa estava lidando. É claro que Jesus se entristeceu com a decisão de Judas, pois Jesus o amava, mas Ele não se deixou iludir, Ele não gerou expectativas. A ilusão fere muito, isso acontece porque quando ela cai, tudo que foi fundado sobre ela, cai junto. Isso serve para todas as áreas das nossas vidas, mas principalmente para os relacionamentos. Muitos “Judas” vão aparecer nas nossas vidas… faz parte. Mas nós teremos que aprender a lidar com cada um “deles”, e não deixar que eles destruam a nossa capacidade de amar e de acreditar no amor verdadeiro (e na mudança das pessoas). A verdadeira gratidão está ligada ao exercício de “se ver”.Ela “brota”daí. Observe, quando nos enxergamos, quando honestamente “nos vemos”, e, (sem medo da rejeição) percebemos quantas pessoas nos amam e não nos deixaram (mesmo sabendo de todos os nossos defeitos…) nasce em nosso coração uma profunda gratidão. Nós, seres humanos, somos assim: Quando percebemos as nossas limitações (quando nos enxergamos), temos medo que os outros também percebam (enxerguem) e nos rejeitem por causa delas. Por isso, tentamos esconder das pessoas os nossos defeitos a todo custo. Mas isso não adianta. Mais cedo ou mais tarde, as nossas limitações e defeitos (principalmente aqueles que tentamos a todo custo esconder das pessoas) vão aparecer. Isso vai acontecer sem querer, na hora da raiva, do nervosismo… sem querer acaba aparecendo pra todo mundo. Isso de certa forma é bom, porque é nessa hora que saberemos a verdade sobre as pessoas ao nosso redor, é nessa hora que conheceremos o caráter de cada um que nos cerca, porque, se ao ver os seus defeitos, uma pessoa te abandonar, ela(e) está mostrando que não te ama de verdade, ou que não está disposta a te amar e te aceitar como você é. Por isso, mesmo que tenhamos medo da rejeição, é melhor vencermos esse medo, e deixar que as pessoas nos conheçam de verdade. Assim diminuímos o risco de decepcionar e de sermos decepcionados. Realmente dói muito a rejeição, mas dói bem menos quando não criamos raizes, quando ainda estamos no começo de um relacionamento… por isso temos que ser “o mais transparente possível” com as pessoas, para não geramos expectativas falsas e infundadas (defraudações). Eu te garanto que a ingratidão dói muito mais que a rejeição (falo por experiência própria, pois já senti das duas), porque a ingratidão é a rejeição ”concentrada”, ou seja, podemos passar por uma rejeição, e não “rolar” ingratidão junto… mas sempre que rolar ingratidão, junto dela haverá rejeição. É sempre assim, porque o próprio ato de ser ingrato, é um ato de rejeitar. É por isso que dói tanto quando alguém a quem nos dedicamos, se torna ingrato(a), age com ingratidão conosco, porque nos sentimos profundamente rejeitados e “dês-amados”. Para mim, é um desafio lidar com a ingratidão de um modo geral, mas principalmente com as pessoas ingratas, aquelas que tem essa “natureza”. Acho que isso acontece porque sou grata… Tenho gratidão em meu coração… e por isso, acabo por gerar uma expectativa nas pessoas ao meu redor… não é fácil.
Abraços carinhosos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário