3 de dez de 2012

OQUE É CARMA?


Carma


Problema ou solução?


É comum diante de situações adversas e dolorosas perguntarmos:
“Por que isto está acontecendo comigo? O que fiz para merecer tal situação?”. Quando a dor nos visita, é comum culparmos o mundo externo por nossos sofrimentos e não assumirmos que somos responsáveis por tudo o que nos acontece. Mas é preciso enxergar essa realidade.

Não raramente, os fatos que nos afetam estão ligados ao passado, por vezes desta vida e muitas vezes de vidas passadas. Lá atrás, o que não necessariamente tem de ser de sua última encarnação, muitos atos desequilibradores podem ter sido colocados em movimento e talvez você esteja colhendo os frutos agora.
Como lidar com isso? Será que o carma de vidas passadas obrigatoriamente tem de estar ligado a sofrimentos e problemas?

O QUE É O CARMA


Carma é uma palavra em sânscrito que define a lei de causa e efeito, ou seja: “O que o homem semeia ele colherá”. Se entendermos o seu significado em sânscrito – ação –, podemos chegar a algumas conclusões. Toda a ação implica uma reação; portanto, ao colocarmos em movimento qualquer ato, pensamentos ou palavras, teremos uma reação desse movimento. Ação significa também que quando lidamos com acontecimentos cíclicos, que é o que o carma é, precisamos estar atentos para agir de acordo com o que a situação nos propões.

NADA ACONTECE POR ACASO


Se você estiver vivendo sob pressões desafiadoras, assuma o controle de sua vida e entenda que o que está acontecendo com você está de acordo com a lei cíclica, ou seja, tudo o que não aprendemos ou vivemos em desarmonia no passado terá de voltar a acontecer, mesmo que em condições diferentes, contudo similares, para tentarmos novamente. Tracemos um paralelo: quando estudamos em um colégio ou faculdade, se não formos bem em determinadas matérias, teremos de refazê-las e, por vezes, até repetir o ano. Assim funciona a lei de causa e efeito, ou carma.
Refaremos os passos do que erramos porque nossa consciência divina assim o exige. Mesmo que não nos lembremos, tudo está gravado em nós e na hora certa atrairemos situações que nos ajudarão nessa reciclagem.
Deus não profere um julgamento a cada ato pessoal, mas criou leis perfeitas que dirigem o Universo e por causa de nosso livre-arbítrio dá chances iguais a todos nós.


Nesta nova era, que abriu uma brecha na herança das religiões que impuseram culpas e castigos para resgatar nossas faltas perante a lei divina, devemos reformular nossos pensamentos e crenças.
Ao tomarmos consciência de que vivemos um carma negativo – sim, porque podemos colher frutos de nossas ações positivas e isto também é carma – reflitamos no que o mestre Jesus afirmou:
“Muito lhe foi perdoado porque muito amou, mas quem pouco perdoa, é porque pouco ama” (Lucas 7:47).


COMO TRANSFORMAR O CARMA?


Primeiramente, mudando a visão que temos do problema que nos aflige. Eis um modo de pensar errado: “Não posso mudar, é meu carma.” Ou: “Tenho de sofrer muito”! São erros do passado.”
Tive uma cliente que não se perdoava porque, em uma época muito difícil de sua vida, fizera um aborto. Conversamos e concluímos que, naquela época, ela não acreditava que Deus manda o frio e também o cobertor.
Ela não entendia que o amor divino traz abundância e abre espaço para auxílios que no momento da aflição na percebemos, mas, se cofiarmos, tudo de bom virá ao nosso encontro. Como não tinha a visão amorosa da vida que tem hoje, no desespero abortou.
A pergunta é: ela colherá os frutos de seus atos? Com certeza.  Mas será que ela poderia refazer esses passos de outra forma? Desejava ter outro filho, mas por estar solteira, não havia possibilidade naquela fase nem dinheiro disponível para tratamentos médicos que não envolvessem um parceiro. Além disso, sua idade madura desaconselhava engravidar mais para frente. Mas isto seria necessário?
Orientei-a a se perdoar em primeiro lugar, pois não havia cura sem perdão e pedi que tentasse trabalhar com crianças carentes como voluntária.
Essa ação cheia de amor apagaria de seu espírito sua ação desequilibrada do passado e em uma outra oportunidade poderia abrir espaço para um outro filho, fosse nesta ou em outra vida. Feito isto, hoje ela se sente muito melhor e está de bem com a vida.

SOLUÇÃO


Para muitos, o carma parece ser a solução. Existem pessoas que, apesar de todo o sofrimento que passam, o superam e realizam obras belíssimas.
Lars Grael, em 6/6/98, quando participava de uma regata em Vitória, foi atingido por um barco em alta velocidade que decepou sua perna direita: uma pessoa não-participante da prova desrespeitou a sinalização de bóias e dos atletas que estavam no local, provocando tal tragédia.
Este trágico acidente, que poderia ter encerrado sua carreira de velejador, não o desanimou. Pelo contrário, em 2001, assumiu o cargo de Secretário Nacional de Esportes, no Ministério do Esporte e Turismo e põe em prática suas idéias, como os projetos Grael – Projeto Navegar para Crianças e Esporte Solidário (atende pessoas carentes e tenta a liberdade com objetivos de recuperar os presidiários).
Um outro bom exemplo de pessoas que ultrapassam os limites que a vida impõe está relacionado à vida do genial Stephen Hawking, nascido em Oxford, Inglaterra,  considerado o mais brilhante físico teórico, desde Albert Einstei.
Matemático, astrofísico e doutor em Cosmologia, em 1963 descobre que está com uma doença chamada esclerose lateral amiotráfica, doença que afeta a capacidade neuromotora do corpo.
Desde 1985, após uma pneumonia, precisa de cuidados 24 horas por dia e graças à sua incrível determinação, escreveu vários livros, continuou dando aulas e seminários, apesar de não falar desde àquela data; comunica-se com a ajuda de um sintetizador de voz e um computador portátil.
Atualmente, ocupa a cadeira de Isaac Newton como Professor of Mathematics na Cambrige University na Inglaterra.
Muitas vezes, a descoberta de talentos novos pode estar ligada às dificuldades por que passamos e, claro, à revalorização da vida.

PADRÃO OU CARMA


Se você estiver sempre às voltas com uma série de pessoas que lesam seu trabalho ou te roubam e te enganam, seja no trabalho, seja nas relações pessoais, cabe a pergunta: Por que atraio sempre pessoas assim em minha vida? O que tenho de perceber ou mudar?
O primeiro passo é ter consciência de que isto acontece a todo o momento e depois entender que quem está atraindo pessoas assim é você; portanto, a solução está dentro de você. será que também lesou muitas pessoas lá atrás?
Ou isto é um padrão de pensamento, uma crença que adquiriu do mundo externo, principalmente quando criança? Por exemplo: Seu pai foi uma pessoa que vivia se queixando dos outros:
“É, não podemos confiar em ninguém.”, “As pessoas só enganam os outros.”, “Sinto que estou sendo enganado.”, ...e por aí afora.
Você cresceu acreditando que todo o mundo trai, mente..., mas não percebe realmente isto.
Somente quebrando esses padrões e adquirindo outros é que você se libertará dessas pessoas; e vibrando em uma outra freqüência, atrairá outras que tenham a ver com você.

 

“A quem, pois, culpar de todo

as  suas aflições senão a si mesmo?”


DEPOIMENTO


“Meu nome é Rodrigo Cabelo Fávero. Tenho 25 anos e quero contar para você um pequeno trecho do meu livro chamado Vida”

Na minha infância e juventude, adorava andar de bicicleta, jogar basquete, pingue-pongue, mas minha paixão era o futebol.
Tive a oportunidade de treinar em várias equipes e acreditava que meu futuro era ser um jogador profissional. Devido a excessivos treinamentos, acabei lesionando meu joelho direito e para corrigir essa lesão, era necessário fazer uma cirurgia. Passados alguns meses, resolvi fazê-la, pois a vontade de voltar a jogar era enorme. Cirurgia marcada, lá estava eu no horário combinado, que, de acordo com a complexidade da mesma, não demandaria mais de 45 minutos.

Estes 45 minutos tornaram-se 30 dias


Durante a cirurgia, tive uma obstrução na artéria poplítea, na altura do joelho. Nos primeiros 10 dias, fui submetido a mais quatro cirurgias na tentativa de fazer o sangue voltar a circular por toda a parte lesada. Elas não foram suficientes, mas ajudaram bastante no processo pós-amputação, que ocorreu por volta do 15º dia.
Felizmente, consegui manter o meu joelho, que me dá mobilidade para fazer tudo que eu quero, inclusive jogar futebol. Claro que não é com a mesma eficiência, mas dá para suprir minha necessidade e meu desejo.
Fato consumado, haviam duas opções: olhar para o passado e ficar lamentando a perda ou aproveitar tudo de bom que Deus poderia me dar (e continua me dando). Optei pela segunda.
Passei por um longo processo de aprendizado e adaptação, mas em nenhum momento perdi a vontade de viver!
Alguns meses depois já estava treinando natação com uma equipe formada somente por deficientes físicos. Lá, aprendi que todos somos portadores de algum tipo de deficiência e que fazemos dela um obstáculo em nossas vidas. O esporte, a família, os amigos e principalmente a religião é que me deram e me dão forças para continuar na luta do dia-a-dia. E foi na religião que busquei a compreensão e o entendimento necessários para aceitar tamanha perda sem perder a esperança de um amanhã melhor. Foi nela que aprendi que somos feitos de matéria e que nossa verdadeira forma está em nossas atitudes, em nossos pensamentos e desejos.
Já se passaram seis anos. Estou formado em Administração de Empresas, trabalho em uma grande multinacional e tenho a impressão que já nasci assim.





Nenhum comentário:

Postar um comentário