3 de dez de 2012

OQUE POSSO FAZER POR VOCÊ!!!!!


VOCÊ ESTÁ DOENTE?
Medo e Solidão podem tornar alguém Incapaz de lutar contra uma Doença

- Aprenda a se amar para ser um vencedor -


Equilíbrio  

                       Físico  

                                   Mental  

                                              E    

                                                   Espiritual


Com: professora Renata Cardoso





COM OS CURSOS RÁPIDOS DE AMADURECIMENTO VOCÊ VAI APRENDER:                                                                                                                                                                                 
                                                       Como desenvolver a                                              Como conquistar o
                                                       auto estima e a                                                      equilíbrio físico,
                                                       auto confiança de                                                  mental e emocional                                           


                                                       vencedor.
  Como administrar                                                                      Como utilizar o poder                                                                                                                                                      
 e controlar o estress                                                                     infinito da sua mente
                                                                                               

Você vai se amar mais; vai curar seu corpo, sua vida e ajudar pessoas a melhorar também. O  trabalho consiste em 20% de teoria e 80% de prática.
O Instituto de informações Reposition, fundado em 1987 oferece um modelo de assistência integral e continua, complementar ao tratamento médico, em todas as fases da doença, promovendo alivio do sofrimento de pacientes e familiares, cuidados Estéticos com aparência Terapêutica, visando a qualidade de vida. A equipe do Instituto é especializada em atendimento ao paciente Oncológico, tendo como objetivo oferecer o maior conforto e bem estar possível no “Lar Recanto da Vida’  
Instituto de Informações Renata Cardoso Reposition Suporte Psicológico Positivo a Paciente Oncológicos.








Como cheguei à Profª. Renata Cardoso


Minha primeira vez.


Chegamos encolhidas, olhos baixo, enfaixadas no próprio sofrimento e, lentamente, fomos desatando, abrindo as mãos, os olhos, respirando, e pouco a pouco recobrando o alento.
Fim da jornada. Almas restauradas na partilha da dor e de momentos.
Ferida exposta ( mais funda ferida! ) Catarse lenta, dolorosa e calma que ora nos deixa libertas, redimidas e hoje, mais forte, nem penso mais na morte.
Não tenho tempo, Quero mais a VIDA! 
Futuro é sempre coisa que demora... Quero viver o hoje, o aqui, o agora, saboreando o pão de cada dia.
Guardar no olhar todos os azuis de céu e mar que contemplei.
Tenho na alma toda a doçura dos seres que amei.
E assim, rica de afetos e bons momentos, sigo a jornada, confiante, serena, e, se preciso, lutarei de novo, volto ao “Lar Recanto da Vida”, sei que vale a pena !
 Pôr Renata Cardoso




Acolher, envolver, ouvir, falar, expressar, incluir.

Essas são as palavras-chaves da primeira missão do ‘Lar Recanto da Vida” em Bauru SP.


“Quando você resolve tratar, cuidar de uma pessoa, já tomou partido dela, ou seja, daquilo que você acha que seja sua saúde. Não existe neutralidade nem distanciamento, o que existe é discrição, silêncio, um silêncio que significa consentimento. Consentimento com existência da pessoa, e isso é uma posição de amo. A pessoa adoece pôr carência de verdadeiras relações pessoais. Se você lhe der impessoalidade e neutralidade, dará exatamente aquilo que causou a doença. A tarefa da psicanálise é a da construção de um encontro,  e não há encontro que seja impessoal; impessoal é o desencontro.”
 Pôr Renata Cardoso


 "LAR RECANTO DA VIDA.

 O primeiro passo do “Lar Recanto da Vida” é o aconselhamento, dá o tom de todo o restante do trabalho. Durante todo o tempo em que os pacientes estão indo em busca de seu equilíbrio, de sua saúde, estão sendo acolhidos.
O acolhimento começa no atendimento aos inúmeros telefonemas que recebemos de pessoas querendo saber o que é e como é nosso trabalho. Fazemos questão de falar com cada paciente e/ ou seus familiares, esclarecer nosso sistema de trabalho e, é claro, acolher as dúvidas, incertezas, medos de quem já está cercado de informações, porém não raro, carente de carinho e compreensão.

Renata Cardoso lembra-se de uma histórica bastante ilustrativa de como se dá o acolhimento do “Lar Recanto da Vida” e em que nível ele, pôr si só, já é acalentador para o paciente que está começando a sua jornada :

“Certa vez atendi a um telefonema de uma senhora pedindo informações sobre o trabalho do “Lar Recanto da Vida”, pôr indicação de seu oncologista. Ela começou a conversa dizendo que estava ligando só porque o médico havia insistido, mas que não acreditava naquele tipo de trabalho e não precisava de um grupo de apoio, pois “estava suportando tudo muito bem”. Ela fez muitas perguntas, e a cada resposta que eu dava ouvia um apenas um “hum... hum...” do outro lado do fone. Após uns vinte minutos de conversa ela disse que iria pensar melhor e me ligaria depois.
No dia seguinte, ligou novamente e de novo  afirmou: “Só estou ligando pôr insistência do meu médico”. Fez mais algumas perguntas e finalmente disse o que queria dizer desde  o primeiro telefonema: “sabe, não vou participar desse programa porque tenho certeza de que vocês vão tentar me convencer de que posso me curar e, na verdade, o que eu quero mesmo é morrer”.
E eu imediatamente respondi, convicta: “A sua vontade de morrer será muito bem vinda no grupo”. Ela ficou muda e surpresa do outro lado da linha. Depois de alguns segundos de silêncio, perguntou: “E quando  quando começa o próximo grupo?” Respondi que já era na semana seguinte.
Para minha alegria – e também surpresa, devo confessar  - ela foi uma das primeiras pessoas a chegar na terça-feira . Fez o grupo quase inteiro, mas veio a falecer antes do termino do semestre completo. Porém fez questão de deixar claro quanto havia sido importante saber que estava entrando num grupo em que até seu desejo de morrer cabia e era aceito pôr todos que ali se encontravam.” fim


Conclusão  minha

Assim pensamos do atendimento feito no “Lar Recanto da Vida” : um movimento de inclusão, de aceitação do outro no momento e na situação em que se encontra. Sem pré julgamentos ou ( pré ) conceitos. E é esse espírito que vai permear todo nosso processo e caminhada com os pacientes.
Pôr isso, temos o cuidado de expressar esse acolhimento nos pequenos detalhes que compõem o “Lar Recanto da Vida” : do ambiente físico – uma sala de luz ampla, iluminada, com tapetes macios, almofadões, lenços de papel espalhados nos cantos, temperatura agradável, silêncio - , passando pelo lanche servido no intervalo ( sempre algo nutritivo, saboroso, compartilhando com o grupo), até nossa postura como integrantes do grupo que coordena os trabalhos. Sentamo –nos juntos, de pés descalços, e em circulo, de forma que possamos nos ver para desenvolver as atividades. É uma postura aberta, na qual a disposição para ouvir sem julgar, sem questionar, sem criticar, é fundamental desde o primeiro momento. Uma de nossas pacientes descreveu assim sua chegada e passagem pelo “Lar Recanto da Vida”:.

Fim


                                                  Toalhinhas cor de “Rosa”


O que mais me chamou a atenção naquele primeiro dia no Lar Recanto da Vida” não foi a suave música que envolvia a sala acolhedora, repleta de macas motorizadas estrategicamente colocada toalhas rosas nas macas me chamou a atenção.
“Ai, ai”, pensei, “será que vou Ter de chorar ?”
Até então, desde que tive conhecimento do diagnóstico de câncer de cólon, e mesmo durante o longo calvário percorrido, eu não derramara uma lágrima sequer.
As mãos hábeis do cirurgião haviam retirado o tumor, mas as marcas internas- inquietações, medos, angustias- permaneciam represadas e indeléveis. Eu estava emocionalmente anestesiada e não sabia disso, assim como não sabia que a partir daquele primeiro encontro com Renata Cardoso o que poderia a minha vida  mudar.
Aos poucos, fui conhecendo e me reconhecendo na trajetória de luta de cada companheiro de grupo e passei aguardar com ansiedade nossas reuniões.
As, benditas toalhinhas rosas... como foram úteis! Quantas vezes nos socorreram quando emoções vinham a tona na forma de lágrimas são e purificadoras.
Pois bem, após usar muito as toalhinhas  de cor rosas   ( e cá entre nós muitas risadas também ), senti que graças ao competente trabalho desenvolvido pela nossa orientadora e terapeuta Renata Cardoso e suas valiosas ( e inesquecíveis ) colaboradoras Vanda, Vanja e Helton, além da solidariedade que encontrei entre minhas companheiras de grupo clara, Helena, Luciana, Maria Cristina, Sônia e Vera, eu me tornara mais forte e consciente das infinitas possibilidades que mente e corpo me ofereciam.
Obrigada  Renata Cardoso, pôr Ter replantado em mim a semente do sonho.
Sei que a batalha continua, mas sei também que há vida. Ela me chama. E eu vou.
Os pacientes que chegam até o meu Instituto de Apoio vêm quase sempre com muitas dúvidas, muito medo, trazendo dores, muitas vezes revolta, angústia e incertezas. Para nós, é importante que, desde  o primeiro instante, eles se sintam acolhidos, aceitos e afirmados com seus méritos e deméritos, graças e desgraças, acertos e erros. Que saibam que nesse espaço tudo o que trazem consigo, efetivamente, é aceito e validado sem julgamentos, sem juízos de valor. Que esse é um espaço onde poderão trocar experiências, histórias, dores, desesperos, esperanças, tudo aquilo que faz parte da vida.
Nada, nenhuma emoção, nenhum sentimento precisa ser resguardado ou escondido pôr culpa ou vergonha .
Nesse momento apresentamos todo o programa de reabilitação Psicofísico que vai durar 01 ano com encontros de três a quatro horas duas vezes pôr semana. Enfatizamos que, ao longo desse período,  ( eles ) terão ali um lugar para ver e ser vistos, para falar, ouvir e ser ouvidos.
Antes de as pessoas serem convidadas a se apresentar umas às outras, fazendo uma sessão de relaxamento que vai se repetir até o final do programa. Esclarecemos que o relaxamento é necessário para que cada um “entre” entre em contato com sua alma, deixando para trás a agitação da cidade grande, as preocupações, os exames, as consultas etc..., concentrando-se apenas em si próprios e no que vierem buscar ali no grupo. Ao som de uma música tranquila  as pessoas são estimuladas a irem se soltando, se aproximando de si mesmas e se desligando das preocupações de seu dia-a-dia, preparando se para esse encontro. Ao terminar as sessões antes de os pacientes voltarem para suas casas, fazemos um outro relaxamento, da mesma  maneira, para que cada um se prepare para retornar a sua rotina, levando as experiências enriquecedoras que recolheu naquele dia, porem com cabelo e pele bem cuidado e alma bem lavada.
Assim, o atendimento globalizado (corpo e alma) é o ponto de partida da grande viagem e que os pacientes do Instituto se lançam a cada programa. E é fundamental, porque ensina uma lição básica para a vida : a de que é preciso que nós mesmos nos acolhemos como somos. A culpa, a autopunição, a exigência da perfeição são instrumentos dos mais cruéis que utilizamos, muitas vezes inconscientemente, para nos sabotar em nossa jornada pela vida. São eles que impedem nosso equilíbrio e contato com nossos sonhos mais verdadeiros, fazendo com que nos sintamos pequenos, impotentes, “errados”, inadequados ou inconvenientes.
Escolhemos a frase do psicanalista Helho Pellegrino para abrir este espaço, porque fala de um aspecto capital em nosso trabalho: o encontro. Esse encontro entre nós, integrantes do Instituto, e os pacientes. E entre eles mesmos, é o vínculo que se forma quando olhamos o outro com compaixão. E compaixão aqui tem a ver com tornar-se compatível com outro, semelhante em suas dores e  amores, harmonizar-se com esse outro tão parecido ainda  que diferente em sua essência.
Ao nos reconhecer no outro, encontramo-nos com ele; ao nos encontrar, o acolhemos e, quando isso acontece, criamos um vínculo verdadeiro, tornando-nos assim mais fortes, mais vivos, mais humanos                                                                      

 

                                                                                    Pôr Renata Cardoso

Coordenadora do Grupo   




COMPORTAMENTO

         O paciente com câncer encontrará, numa família consciente e bem estruturada, seu melhor apoio. Um fator a ser lembrado é que, para o paciente, sua doença e sua dor passam a ser as prioridades da sua vida. Por maior que seja seu mundo interior, no seu inconsciente, onde está o seu instinto de preservação, poderá iniciar-se um processo de frustração e revolta, lento ou repentino, externável ou não.

         Tal situação é mais freqüente diante da imprevisibilidade da situação ou quando seu problema vai adquirindo aspectos de insolubilidade. Nessa hora, toda atenção e apoio devem ser oferecidos, toda tentativa de fazer com que o paciente possa exteriorizar sua tensão deve ser realizada pela equipe de profissionais habilitada para isso.

         A iniciativa de encorajar a discussão de frente, com pacientes e familiares, em prol de um tratamento e seguimento conscientes, deve ser considerada por parte de todos. Ao conhecer-se um problema, ele se torna mais fácil de ser encarado.

         Em função da sua personalidade, o paciente pode expressar sua tensão das mais variadas formas, necessitando da sensibilidade e paciência de todos. Observa-se que, por razões até bem intencionadas, porém equivocadas, alguns familiares sentem-se no direito de decidir sobre a conduta do paciente, principalmente quando idosos. Esquecem que muitos pacientes estão em pleno vigor de sua capacidade mental e que cabe ao médico decidir qual tratamento será adequado para a idade cronológica e estado físico de cada cliente. Porém, a decisão final deve pertencer ao paciente que trocará idéias com nossa equipe.

À família cabe o papel de informar-se  junto com o paciente, organizar-se, romper a barreira do medo, da expectativa e da dor, para lhe prestar suporte responsável e honesto. Muitas vezes será doloroso e difícil, para a já abalada estrutura familiar, absorver problemas adicionais, mas é sempre bom lembrar que se trata de doentes e não, de doença.

 Por Renata Cardoso




Recomendações aos familiares (e amigos) e ao paciente

         Caros Familiares e Amigos do Paciente,
        
         Os cuidados do paciente com câncer vão além  de ações puramente físicas (alimentação, medicação e conforto corporal). É importante para ele sentir-se emocionalmente apoiado e ser ouvido. Aprendam  a ouvir por inteiro, sem interromper – permitindo que o outro “lave a alma” sempre que sentir necessidade, um abraço e um beijo sincero, valem por mil palavras de resposta. Mas se tiver algo a dizer, só fale quando ele terminar o desabafo.

         Nos momentos de calma e serenidade, conversem sobre assuntos agradáveis e de interesse do paciente. Compartilhem bons momentos e boas risadas juntos, sempre que a oportunidade surgir. Apostem na vida e não na doença, evitando assuntos como tragédias, violência urbana, fim do mundo, conversar irritantes, etc.

         Amigos devem compreender que as visitas não devem tornar-se um fardo para um paciente hospitalizado ou que acaba de receber alta e está convalescendo de uma cirurgia ou outro tratamento realizado em hospital.

         Se estiver resfriado ou saindo de uma gripe ou com sintomas de que vai ter uma, telefone ou mande um cartão. É falta de educação e consideração visitar alguém – seja ele quem for – quando você está com uma doença facilmente contagiosa como gripe ou resfriado. Além disso, é importante para o paciente com câncer evitar pegar infecções que possam enfraquecê-lo – principalmente as que podem ser evitadas com uma pitada de bom senso por parte de amigos e familiares.

         Familiares devem estar conscientes de que as queixas de dor ou de desconforto do paciente devem ser ouvidas. Nunca subestime a dor que o outro diz estar sentindo. Além  disso, a dor não precisa fazer parte do dia a dia do paciente. Procure telefonar e se informar com a equipe de apoio o procedimento para que o paciente viva sem dor. No caso de dor intensa, não espere a próxima consulta ou o dia seguinte; telefone imediatamente para averiguação se a dor, causa ou efeitos.

         Antes de cada consulta, ajude-o a anotar as suas dúvidas e perguntas, para esclarecer com a Psicoterapeuta  e anote as respostas.

         Muitas informações que parecem corriqueiras para a Psicoterapeuta Renata Cardoso, são completamente novas para vocês (paciente e familiar). Anote as respostas em um caderno ou agenda, onde também anotará os sintomas, exames marcados, principais resultados, consultas, quimioterapia, radioterapia e outras informações necessárias para quando for ao médico.

         Se não entenderem a resposta do médico, peçam  a ele que explique em uma linguagem menos técnica que vocês possam entender. Nunca hesite em perguntar o que não entender.

         O paciente e seu familiar devem compreender a medicação prescrita; portanto, peça que os nomes dos medicamentos sejam escritos de forma legível no receituário. Pergunte e anote os efeitos colaterais previstos para as medicações prescritas e pergunte o que fazer para aliviar esses efeitos.

         Ao sair de uma consulta, marque a próxima ou, se já estiver em tratamento, marque a próxima quimioterapia ou radioterapia.

         Lembre-se de que o médico precisa de todas as informações do paciente para medicá-lo melhor. Deixe que o paciente responda às perguntas durante a consulta. Porém, se perceber que algo foi esquecido, lembre o paciente, quando ele terminar de falar e não assuma ares paternais ou matriarcais. Por outro lado, seja objetivo, para não tornar a consulta longa e desgastante.

*******************************

         Prezado paciente

         Nunca deixe de lutar por sua Vida e se um dia a atitude de algum profissional o decepcionar ou confundir, fale com ele francamente e tente entender que ninguém sabe tudo. Use o seu bom senso para avaliar se a relação de confiança é resgatável. Os médicos também estão em processo de adaptação a um novo perfil de paciente que requisita informações de forma mais criteriosa.

         A Psicoterapeuta e o paciente são seus  parceiros nesta jornada  terapêutica e uma relação baseada em verdadeiros valores humanos, enriquecerá a experiência de vida de ambos.

         Você também é responsável pelos bons resultados de seu tratamento e deve fazer a sua parte, seguindo com disciplina e determinação as orientações e cuidados necessários a cada etapa da terapia. Saiba lutar com consciência e respeito aos esforços daqueles que buscam ajudá-lo.

         Lembre-se de procurar amigos e pessoas que já passaram por situações parecidas. Não se isole em sua dor, buscando compartilhar com amigos e familiares suas dores, temores e preocupações. A solidariedade existe em benefício também das pessoas que a praticam.

         Não sinta vergonha em dizer que está com câncer, mesmo que as pessoas à sua volta não saibam que o câncer tem cura e tenham medo do que sentem. Você tem  apoio psicológico com profissionais e grupos abalizados de auto ajuda. Se você não se trata neste núcleo de apoio, procure uma faculdade de psicologia e informe-se sobre serviços gratuitos prestados por estagiários de Psicologia sob a orientação de professores. Peça a eles que comecem um grupo de auto ajuda para pacientes com câncer naquele serviço.

         Não deixe que a depressão e o desânimo o derrotem. No caso de depressão profunda (que pode ter causas orgânicas ou medicamentosas) fale com seu Psicoterapeuta para informar-se os efeitos são do corpo ou da alma .

         Recupere sua identidade espiritual, revendo suas crenças e alimentando a sua alma e a sua fé, através do contato com membros de sua comunidade religiosa. Lembre-se! Não fique só!.

O objetivo deste departamento do Instituto Independente de Pesquisas Estética de Bauru SP.– Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer) é servir como um veículo de VOZ ATIVA aos Pacientes, para que eles possam discutir abertamente o câncer, seu tratamento e novas ações necessárias à melhoria da qualidade de suas vidas. Vamos todos – pacientes, médicos e demais profissionais da saúde -  fazer desta luta uma consagração à VIDA.

POR RENATA CARDOSO




 Lar “Recanto da Vida”


A alimentação inadequada está entre os 10 fatores de risco responsáveis por 40% das causas de doenças fatais ou que geram invalidez.

Há milhares de anos, monges e sábios orientais diziam que a parte mais importante do homem estava bem debaixo do seu próprio nariz: a boca. Além de ser a porta de entrada dos alimentos, que devido à qualidade, geram saúde e energia ou doenças e desequilíbrios, é também a porta de saída de palavras doces e construtivas, ou  argumentos pesados e desarmoniosos. Para eles, quem controla a boca, tinha mais controle sobre a própria vida.

O acelerado ritmo de vida, principalmente nas grandes capitais, faz com que as pessoas não prestem atenção no que estão comendo. Hipnotizadas por comerciais de televisão que apresentam pessoas bonitas comendo alimentos saborosos, as pessoas engolem fast-foods, comprando alimentos artificiais e ganhando tempo com pratos  congelados que sofrem radiação desvitalizaste em nossos “sofisticados” microondas.

A arte de comer vai além do que se come, mas de que forma se come. Tranqüilidade, atenção e mastigação são ingredientes fundamentais para uma alimentação equilibrada. É muito importante  estar consciente no momento das refeições, pois o ato de comer muitas vezes é um impulso por uma carência afetiva ou uma mágoa não resolvida e até mesmo  ansiedade. Desta forma, acaba-se comendo muito ou pouco e a digestão, que começa na mastigação, fica comprometida impedindo uma satisfação orgânica..

Segundo pesquisas da Organização Mundial de Saúde (OMS), em1996 foi detectado que a alimentação inadequada está entre os 10 fatores de risco responsáveis por 40% das causas de doenças fatais ou que geram invalidez. Somos o que comemos, pois cada alimento que ingerimos acaba indo para o interior de nossas células, onde a cada refeição uma nova vida interior se inicia. E devemos lembrar que somos100% naturais, nossos ossos, músculos, sistemas e órgãos são naturais e coordenados por leis naturais. Para manter ou restabelecer o equilíbrio, necessitamos de “combustível” também de fonte natural e não de alimentos desenvolvidos em laboratórios.

A natureza é sabia, abundante e deve ser a nossa base de sustentação, pois fomos criados para viver em harmonia com ela. Quando cortamos essa relação, cortamos  a fonte de vida e adoecemos.

Bom apetite!



Por Renata Cardoso





Lar “Recanto da Vida”





Estresse, irritação e insegurança são realidades atuais que compõem o cenário social. Em plena era da informação, as pessoa vão minando suas energias para acompanhar  o rápido estilo moderno de viver.
Mas um mundo paralelo composto de paz, saúde e prosperidade já pode ser vivido pelas pessoas que descobriram o poder da meditação.


Quem ainda pensa que meditação é apenas um ritual místico praticado por grupos esotéricos, está muito enganado. Essa técnica milenar é praticada por muitos executivos, recomendada por médicos e já faz parte do leque de opções terapêuticas de vários hospitais em todo  o mundo.

A meditação beneficia a saúde proporcionando rejuvenescimento e longevidade, melhora o rendimento profissional, equilibra as emoções e traz sensação de paz interior.

Existem muitas pesquisas que revelam os benefícios da meditação no dia-a-dia. Devido ao relaxamento pelo estado meditativo, que descansa de seis a oito vezes mais que o sono, o corpo aumenta a resistência e aciona uma espécie de farmácia interior que harmoniza e equilibra as deficiências orgânicas.

Na área do desenvolvimento profissional a meditação também vem ganhando espaço, pois o ato de meditar equilibra os hemisférios cerebrais esquerdo (razão, lógica) e o direito (emoção, intuição). Como conseqüência da pratica, o profissional tem um grande aumento da capacidade de concentração, criatividade  e controle sobre suas emoções.

A harmonia e o equilíbrio interior também são resultados de pessoas que têm como filosofia de vida praticar a meditação. A cada exercício é como se experimentássemos um oceano de paz e tranqüilidade. Quando da meditação, não dá para trazer o oceano, mas um pouquinho de suas águas. E de pouquinho em pouquinho criamos uma piscina. Com o passar do tempo podemos ter esse oceano em nosso dia-a-dia.


Existem basicamente três tipos de meditação:

Transcendental – Essa técnica não tem foco, basta deixar a mente livre, apenas sentir os pensamentos passarem como se fossem nuvens e a mente, o céu.
Dinâmica – Muito praticada por Ayrton Senna, consiste em concentrar, visualizar e mentalizar um objetivo específico.
 Espiritual – Possui o foco em Deus, onde o praticante volta toda a sua atenção para o Cosmo com  o intuito de conectar espiritualmente com ele. Essa modalidade é muito comum para os seguidores de Raja-Yoga.

As três técnicas são importantes, mas devem ser dosadas de acordo com as necessidades de cada pessoa.

Por Renata Cardoso
Lar “Recanto da Vida”



RELAXAMENTO MEDITATIVO

Um exercício de meditação que serve de base para os três tipos de meditação é o de relaxamento meditativo. Apesar de simples, traz resultados muito positivos para o corpo, a mente e o espírito. Esse exercício deve ser praticado duas vezes ao dia, durante dez minutos:

-         Selecione um ambiente tranqüilo, sem telefone tocando, pessoas passando e, se possível, com pouca luz.
-         Sente-se confortavelmente, feche os olhos e apenas concentre-se na respiração, que deve ser tranqüila e profunda. Sinta por dez vezes o ar entrando pelo nariz, preenchendo o abdome, o tórax e saindo pelas narinas levando embora as toxinas, o cansaço e todos os pensamentos e sentimentos negativos.
-         Imagine seu corpo derretendo lentamente da cabeça aos pés, como se você fosse um boneco de chocolate dissolvendo no sol.
-         Depois que chegar nos pés, diga mentalmente: agora contarei de um até dez e, quando chegar ao dez, abrirei meus olhos me sentindo muito melhor do que antes, melhor em todos os sentido da vida.
-         Comece a contar e quando chegar ao cinco repita mais uma vez: quando chegar ao dez abrirei meus olhos me sentindo muito melhor que antes, melhor em todos os sentidos da vida.
-         Ao abrir os olhos, você estará pronto para vencer os desafios do dia-a-dia.

 Por Renata Cardoso






                                                     





Nenhum comentário:

Postar um comentário